MAU HUMOR – Livro – Amor Imbativel Amor 5/5 (2)

Download PDF

Realizando um périplo que se inicia na forma de princípio inteligente, o Espírito cresce insculpindo con­quistas e desacertos no âmago da sua realidade, defi­nindo formas, contornos e conteúdos, à medida que avança na esteira multifária da evolução.
Cada etapa se assinala por específica realização que se lhe torna patamar de sustentação para novo passo, crescendo, a pouco e pouco, no rumo da autoconquis­ta.
O desenvolvimento psicológico ocorre-lhe lenta­mente, plasmando-se através das experiências que lhe desabrocham as potências adormecidas e que são ele­mentos constitutivos da sua realidade transcendental.
De acordo com a iluminação, e o discernimento conseguido, adquire consciência de culpa em decor­rência dos atos praticados, transferindo para os novos cometimentos a necessidade de recuperação da tran­qüilidade perdida, que é o recurso hábil para a saúde integral.
O ser essencial é amor, no entanto, no processo de despertamento da sua potencialidade divina, adquire expressões não legítimas, que passam a atormentá-lo, já que fazem parte do processo de maturação através de negatividades, que são o desamor e as máscaras do ego, expressando-se como pseudo-amor.
Face a esses mecanismos, com freqüência as insa­tisfações e conflitos dão curso a estados desagradáveis de comportamento, que se podem transformar em en­fermidades da alma, ou, em razão de suas raízes pro­fundas no ser, exteriorizam-se como máscaras do ego, como negatividades, decorrentes dos desequilíbrios da conduta anterior.
O mau humor, que resulta de distúrbios emocio­nais profundos ou superficiais, se instala de forma su­til e passa a constituir uma expressão constante no com­portamento do indivíduo. Pode apresentar-se com ca­ráter transitório ou tornar-se crônico, convertendo-se em verdadeira doença, que exige tratamento continua­do e de longo prazo.
Por trazer as matrizes inseridas nos tecidos sutis da realidade espiritual, transfere-se do campo psíquico para a organização somática através da hereditariedade, que responde pela sua fixação profunda, de caráter expiatório.
Em casos tão graves, a terapia psiquiátrica é con­vocada a auxiliar o paciente, que se lhe deve entre­gar com cuidado, ao mesmo tempo alterando o modo de encarar a vida, o mundo e as pessoas, mediante cujo esforço renovará as paisagens íntimas e elaborará novos painéis que lhe darão cor e beleza existenciais.
Caracteriza-se o mau humor pela apatia que o indivíduo sente em relação às ocorrências do dia-a­dia, à dificuldade para divertir-se, aos impedimen­tos psicológicos de atingir metas superiores, de bem desempenhar a função sexual, negando-se à mesma ou atirando-se desordenadamente na busca de satis­fações além do limite, mediante mecanismo de fuga em torno da própria problemática. Torna-se, dessa forma, pessoa solitária, egoísta, amarga…
Tais características podem levar a um diagnósti­co equivocado de depressão, que se caracteriza por alternâncias de conduta, enquanto que no estado de humor negativo a conduta é qual uma linha reta, desinteressante, sem emoção, permanecendo cons­tante, enquanto que na depressão a mesma desce em fase profunda ou ascende, podendo libertar-se com relativa facilidade.
O oposto, o excesso de humor, também expressa disfunção orgânica, revelando-se em traços da per­sonalidade em forma exagerada de otimismo que não tem qualquer justificação de conduta normal, já que se torna uma euforia, responsável pela alteração do senso da realidade. Perde-se, nesse estado, o contorno do que é real e passa-se ao exagero, tornando-se irresponsável em relação aos próprios atos, já que tudo entende como de fácil manejo e defini­ção. Em tal situação, quando irrompe a doença, há uma excitação que conduz o paciente às compras, à agitação, à insônia, com dificuldades de concentra­ção.
Certamente que um momento de euforia como outro de mau humor fazem parte do processo de se estar saudável, de comportar-se bem, de encontrar-se em equilíbrio. A permanência num como noutro comportamento é que denota o desajuste, a disfun­ção, a desarmonia emocional.
Diante de uma pessoa mal-humorada, a primei­ra idéia que ocorre à família ou aos amigos, é a de proporcionar-lhe divertimento, mudança de clima psicológico, levando-a a sorrir, tentando gerar situ­ação agradável ou cômica, que se lhe apresenta per­turbadora, insossa, já que não consegue biologica­mente produzir enzimas propiciadoras do bem-es­tar.
O distímico sente-se pior, em tal circunstância, formulando um conceito de culpa perturbador, ao sentir-se responsável por estar preocupando aqueles que o estimam e o cercam, tornando-se-lhe o lazer proposto uma experiência ainda mais traumática.
Ante o insucesso, familiares e amigos recuam e passam à agressão mediante apodos, denominando o enfermo como preguiçoso, indiferente ao afeto que lhe é direcionado, como se ele pudesse alterar de um para outro momento o estado de enfermidade.
Somente a paciência familiar e fraternal, o en­volvimento afetivo natural, sem exageros momentâ­neos nem pseudoterapêuticos, e, concomitantemente a assistência psiquiátrica podem oferecer os resul­tados que se desejam, e que são logrados com vagar.
A consciência de culpa ínsita no Espírito, im­põe-lhe uma conduta mal-humorada, produzindo or­ganicamente os fenômenos exteriores, que podem ser diluídos mediante uma alteração na conduta do en­fermo, que se deve esforçar, certamente com muito sacrifício, a fim de recuperar-se dos equívocos, ence­tando novos compromissos edificantes, mediante os quais diminuirá a dívida moral, autoliberando-se do fardo esmagador.
Por outro lado, a bioenergia constitui valioso re­curso terapêutico, por agir nos tecidos sutis do pe­rispírito do enfermo, auxiliando na reconstrução das suas engrenagens específicas, alterando o campo vi­bratório, que redundará em modificação expressiva na área neuronal.
A distimia e a euforia são, portanto, doenças da alma, que necessitam de conveniente estudo e tratamen­to, por assaltarem um número cada vez maior de paci­entes, vitimados por si mesmos e pelos variados fato­res exógenos que a todos envolvem na atualidade.

1,098 total views, 2 views today