DESQUITE, DIVÓRCIO, SEPARAÇÃO, COMO QUEIRAM – Casamento 5/5 (1)

Download PDF

Então, disse, Adão: “Eis aqui o osso de meus ossos, e a carne de minha carne. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e se unirá à sua mulher, e serão dois numa só carne”. – Gênesis, 2:24-25.
Assim já não são dois, mas uma só carne. Não separe logo o homem o que Deus ajuntou. – Mateus, 19:6 Procurávamos o assunto que poríamos em pauta para o estudo do mês e, de “modo próprio”, um Espírito se manifestou, e narrou-nos o seguinte: “Vou contar lhes uma história muito verdadeira, pois é a história de um amargurado trecho de minha vida, e que dura até hoje, e não sei em que época terá fim. Sabemos o ano, o mês, o dia, a hora, o minuto em que cometemos o erro, mas jamais saberemos quando terminaremos de corrigi-lo, e, até lá, o remorso nos crucia.
“Reencarnei-me em família abastada na Capital de um dos Estados do Brasil. Minha infância decorreu tranquila, e minha adolescência, no estudo e nas ilusões próprias dessa idade. Aos vinte e dois anos, casei-me por amor, no que era correspondida.
“Depois de nosso terceiro filho, já tínhamos duas meninas, notei mudanças em meu marido: já não era o companheiro gentil de outros tempos, nossos passeios domingueiros rareavam, não mais nos levou ao clube, apesar dos pedidos insistentes das crianças, sempre havia um pretexto para ausentar-se do lar, mesmo em nosso leito conjugal, evitava-me.
“Um dia, descobri a verdade, e meu coração doeu como se um punho de ferro o apertasse: meu esposo já não me era fiel, tornara-se um adúltero.
“Começaram então as rusgas, os atritos, as discussões, até que a discórdia total se instalou em nosso lar.
“Aconteceu que no auge de uma altercação, em que lhe atirei no rosto o que eu sabia, respondeu-me: “Pois faça o que quiser, eu estou por tudo.” “Daí em diante um ódio surdo roía-me: queria que ele sofresse a mesma dor que me consumia, humilhá-lo como ele me humilhara.
“E maquinei uma vingança.
“Louca, louca que fui! “Em vez de manter-me pura, guardiã de meu lar, do lar de meus filhos, que eu não tinha, que nós não tínhamos o direito de destruir, de protegê-los, orientá-los, encaminhá-los, agir enfim como uma verdadeira mãe, e lutar para recuperar lhes o pai desencaminhado, nada disso fiz, só dei azo ao meu egoísmo, ao egoísmo feroz.
“Eu era bonita e bem conservada, ainda provocava olhares admirativos em nosso meio social. Tornei-me, por minha vez, uma adúltera. A princípio com um primo afastado, que me cortejara em solteira, logo depois com um amigo de meu marido, que sempre me lançara olhares gulosos. E eu pensava: “Ele não me disse que eu fizesse o que quisesse? Pois fiz, e ele há de descobrir!” “E ele descobriu. Com o rosto cor de cera, perguntou-me: `Você fez isso?´ “Ora, respondi lhe altaneira. Você não me disse que estava por tudo e que eu fizesse o que quisesse? Pois aí está! “O processo de desquite correu célere. Separamo-nos. Meus filhos foram para a casa dos avós paternos. Não tinham mais o lar deles, que fora destruído por nós.
“Meses depois meu ex-esposo suicidou-se. E meus filhos voltaram a viver comigo, desorientados, não mais me respeitaram, fizeram-se rebeldes, meus alunos, não me obedeciam. Seus pais… éramos para eles dois ídolos estilhaçados.
“Mal passaram a puberdade e meu filho era um alcoólatra, uma filha frequentadora assídua de boates, e a mais velha, amante do diretor da empresa onde trabalhava como secretária. Ao se aproximarem dos trinta anos, desencarnei.
“Conheci imediatamente o meu estado, e ralada de vergonha permaneci ao lado do ataúde. Meu filho chegou alcoolizado, e abraçado por dois Espíritos horríveis, também alcoólatras, debruçou-se sobre o caixão, quase derrubando-o, no que foi impedido pelos circunstantes. E minhas filhas intimamente se lamentavam por não poder comparecer a compromissos noturnos.
“Acompanhei o enterro de meu corpo. Parentes e conhecidos cumpriram aquele dever indiferentes.
Não recebi uma prece sequer. Contudo, comentavam vivamente o meu desquite, suas causas e suas consequências, o que aumentava minha vergonha, e acendia meus remorsos.
“Fiquei só no cemitério.
“Sentei-me no túmulo e pus-me a chorar.
“Aproximou-se de mim uma quadrilha de maníacos sexuais, tentando agarrar-me. Não sabendo como livrar-me deles, clamei por meu marido.
“— Teu marido?! Pois hás de vê-lo! — exclamaram rindo e afastando-se.
“E chorando, recordei os nossos belos sonhos de noivado, por onde andaria ele? “E percebi que me movia, era como se eu deslizasse, como se eu escorregasse por uma ladeira, sempre para baixo, posto que suavemente.
“Penetrei num vale sombrio, nevoento, donde partiam gemidos, gritos estentóricos, imprecações, gargalhadas de loucura. E parei diante de um Espírito vestido de trapos apodrecidos, de barba e cabelos hirsutos, tendo no lado esquerdo do peito uma ferida sanguinolenta.
“Era meu marido.
“Não me reconheceu.
“A mesma força que me fizera descer, segurava-me ali junto dele, embora eu trabalhasse por fugir. E no meu desespero, uma voz irônica falou em meu ouvido: ´Divórcio aqui não vale!´ “Consumida de remorsos e de dor, sentei-me ao seu lado, apoiando lhe a cabeça em meu regaço. Ele tinha visões ante as quais esbravejava.
“Quanto tempo assim permanecemos: ele a bracejar e a urrar, e eu a chorar perdidamente? Não o sei.
“Alguém murmurou ao meu lado: ´Recorra a prece.´ “Uma ocasião, parecendo reconhecer-me, bradou enlouquecido: ´Que fizemos de nosso lar? Onde anda nossos filhos?´ E recaiu em seus delírios.
“Um grupo socorrista passou e recolheu-me. “Hoje habito uma esfera espiritual bem próxima à Crosta Terrena, à qual aportam os náufragos do casamento. É uma colônia educacional. Dentre seus vários departamentos sobressai o Departamento de Educação para o Casamento. É um edifício de rara beleza, construído de uma substância translúcida, que aos raios vigorosos do sol, ou à suavidade da lua e das estrelas, produz deslumbrantes efeitos de luz.
“Resumirei, dando lhes uma pálida idéia do que lá aprendemos.
“Submeti-me a um treinamento para participar de um grupo que ampara os casais terrenos cujo casamento ameaça malograr-se, conquanto respeitemo lhes o livre arbítrio, no qual não podemos interferir. O tempo que me sobra, quase todo ele consagrado ao trabalho e ao estudo, posso dedicá-lo aos meus filhos encarnados e ao meu marido, que permanecerá no Vale ainda alguns anos.
“O mentor de nossa colônia, um Espírito boníssimo, mostrou-me a necessidade de voltarmos à Crosta de mãos dadas novamente para corrigirmos os erros de nossa última encarnação, bem como retificarmos os cometidos em encarnações anteriores, que praticamos juntos, e que nossa separação não permitiu, fazendo com que perdêssemos essa oportunidade, e, principalmente, para recebermos em nosso seio três aleijões morais, produtos de nosso divórcio. E então trilharemos o longo e penosíssimo caminho da reparação.
“Nós, que poderíamos ter desencarnado como pais e avós abençoados, eis o que ganhamos, eis o prêmio de nossa separação! “Continuando, digo lhes que: “Dentre as instituições respeitáveis que existem na terra, a mais sagrada é a do casamento, nenhuma outra lhe avantaja.
“As ilusões passageiras do mundo nos fazem relegar o lar, que é um lugar santo, para um segundo ou terceiro plano, esquecidos de que os cônjuges entre si devem dar-se apoio total, os quais o darão aos filhos. E lembrarem-se de que um lar sem marido é como um navio sem capitão.
“Quando o lar é bem administrado e abriga o amor, merece o auxílio do Alto, e assemelha-se a um altar onde Espíritos amigos de outras vidas se acolhem, porque o lar é puro.
“O lar onde a discórdia reina vira refúgio de Espíritos pouco evoluídos, que dão vazão a seus instintos baixos, viciosos e perversos, diminuindo lhe sensivelmente o padrão vibratório, e daí para o fim o passo é curto.
“Quantas vezes um dos cônjuges se esforça para agradar o outro, o qual como que não nota, não procura aproximar-se, criando assim problemas de compreensão, que facilmente seriam evitados com um pouco mais de carinho, de atenção de parte a parte. Uma boa palavra para o ser amado, um sorriso, um pequenino gesto de amor valem mais, muito mais para a felicidade do lar do que uma jóia de alto preço.
“É de fazer pena, do lado de cá, assistir às aflições dos maus maridos e das más esposas responsáveis pela destruição dos lares, impedindo que se desenvolvessem Espíritos programados para eles. Quando aqui abrem os olhos, é tarde, muito tarde…
“Cuidem os cônjuges de que seu lar seja uma fortaleza contra os maus, cuidem de seus atos e de suas palavras para que haja o respeito e a compreensão mútuos, base essencial de um bom casamento.
“Quem com o Cristo quer viver, não pode falir na instituição sacrossanta do matrimônio.
Engrandeçam-se os cônjuges no santuário do lar, e os que falharam corrijam-se que ainda é tempo.
“Futilidades, rusgas, incompatibilidade de gênios, desavenças que podem ser evitadas, e sem custo perdoadas, orgulho, vaidade e outras causas que comumente se apresentam ao casal, e são citadas para justificarem a separação, são tidas no plano espiritual como motivos destruidores de oportunidades de os cônjuges se redimirem entre si, queimando um carma comum aos dois.
“O desquite em si (ou divórcio, ou separação, como queiram) pelas leis terrenas nada mais é do que um distrato, uma tentativa de romper antes do tempo os elos espirituais, o laço divino do casamento.
Tal qual o suicida que tenta rebentar o laço perispirítico que o liga ao corpo, e que só a morte natural romperia.
“A exemplo dos suicidas, os Espíritos desquitados perdem todos os seus direitos na Espiritualidade.
Barreiras intransponíveis se lhes formam pela frente, interceptando lhes as ocasiões de progresso. E o motivo que os separou continua no além-túmulo, alimentando o ódio entre os cônjuges, porque o desquite não está no carma de ninguém.
“E quando tomam consciência do ato praticado, e da oportunidade de redenção perdida, entregam-se a desesperos inconcebíveis. Porque se houve união dos dois foi para que juntos lapidassem seus Espíritos, manchados pelos erros do passado e cometidos de parceria, para que se respeitassem mutuamente, partilhando o mais possível dos mesmos ideais.
“E na sequência do casamento, os filhos tivessem carinho e proteção, amor e orientação, enfim, braços amigos que os acalentassem, o lar de seus pais, o verdadeiro lar deles, filhos, o sentimento de mãe, que é tudo para eles, realizando assim o planejamento reencarnatório.
“No além-túmulo não há distratos, nem desquites, nem divórcios, nem separação. As leis terrenas não vigem no plano espiritual. Lá os laços do matrimônio se desatam naturalmente, liberando os cônjuges, uma vez que bem cumpriram com seus deveres até o fim.
“E os desquitados um dia (quando, só o Altíssimo o sabe) terão de, noutra etapa reencarnatória, reconstruírem o lar que destruíram, trazendo para ele os filhos que se transviaram como consequência da separação dos pais, que são responsáveis pelo desencaminhamento deles, e co-réus nos erros que praticaram.
“E agora uma última advertência: no sagrado instituto do casamento, os cônjuges que não se entreguem ao adultério, nem ele nem ela. O adúltero ou a adúltera, ao desencarnarem, caem nas mãos de Espíritos inferiores, obstinados no sexo, os quais os envolvem de tal maneira que os levam a terem uma vida vampiresca em espeluncas imundas terrenas. E só com o perpassar do tempo, e com extrema dificuldade, é que conseguem libertar-se de seus captores. O que me livrou deles foram as lágrimas de amargo arrependimento que derramei aos pés de meu marido.
“Ó casais que estais trilhando a ilusória estrada da separação, parai! Voltai! Reconciliai-vos! Ela é enganosa! No fim dela há um despenhadeiro escuro.
Espírito : Clarinda, uma irmã de vocês.” Autor: Eliseu Rigonatti Livro: O Evangelho das Recordações – Memórias – Pág. 157

255 total views, 1 views today