A recompensa da gratidão – Redação do Momento Espírita 5/5 (3)

Download PDF


Ela viera das terras distantes de Cesaréia de Filipe, na Decápole.
Era considerada impura, pois há doze anos um fluxo sanguíneo não a deixava.
Recorrera a todos os métodos possíveis, na ânsia da cura.

Tudo inútil.
Seu mal era considerado um sinal de desventura, um castigo divino.

Após ter gasto tudo que possuía, ela resolvera buscar a próspera Cafarnaum, na esperança de encontrar um remédio ainda não experimentado, um médico ainda não consultado.

Chegou à cidade no momento em que o sublime profeta de Nazaré acabava de saltar nas brancas praias de Cafarnaum.

Pelos caminhos, ela ouvira falar dAquele Homem, pela boca dos que tinham sido abençoados por Suas mãos e haviam recuperado a saúde.

O povo se comprime.
Todos almejam chegar mais perto.
A figura de Jesus se destaca com Sua túnica tecida sem costura, seu manto quadrangular de borlas tecidas em fios de linho.

A mulher tenta se aproximar dEle.
O coração parece lhe saltar do peito.
O que dizer-lhe? Como falar da sua desdita, expondo-se, em meio a tanta gente?

Ela já fora tão humilhada.
As marcas da problemática orgânica lhe denunciavam a enfermidade.
Estava descarnada, anêmica.

Ela acreditava nEle.
Parecia sentir que uma força extraordinária se desprendia dEle.
Todo Ele era grandeza.
Almejava gritar, tocá-lO.
Isto: tocá-lO seria suficiente para que se curasse.

Então, numa rua estreita, enquanto a multidão se adensava cada vez mais, ela aproximou-se e por trás, alongou o braço esquálido e lhe tocou as vestes com a ponta dos dedos.

Maravilha! O sangue estancou de imediato.
A dor se foi.
Uma sensação estranha a dominou.
Sentiu-se renovada.
Foram alguns segundos de êxtase.
Logo, a voz dEle se destacou na multidão:

Quem me tocou?

Os discípulos dizem que é impossível saber, pois todos O apertam, comprimem.

Ela se atira aos pés dEle e confessa:

Fui eu, Senhor.
Guardava a certeza que, em tocando-te as vestes, recuperaria a saúde.

Jesus a envolve em Seu olhar e a sossega:

Filha, vai em paz.
A fé te salvou.
Fica livre do teu mal!

Algum tempo depois, Ele foi preso.
Às horas de angústia da incerteza do destino dEle, se seguiu a cruel subida até à Colina da Caveira.

Sob o peso do madeiro que carrega, enfraquecido por não ter se alimentado desde a noite anterior e pelas longas horas de flagelação, ele cai.

Ela não se contém.
Burla a vigilância dos soldados e corre-lhe ao encontro.
Com uma toalha branca, limpa-lhe a face ensanguentada e dorida.

Quando a retira, nela estava estampado o rosto dEle, tingido pelo sangue.

Vai em paz! Lembrar-me-ei de ti.
.
.
– Escuta ela em seu coração.

* * *

Antigas tradições cristãs dizem que essa mulher se chamava Serápia e que, a partir desse episódio, ficou conhecida como Verônica, que quer dizer: Verdadeira imagem.

Verônica ou Berenice – Que importa? O que ressalta é o exemplo de gratidão que se permite externar.

Ela acompanha o Mestre, na Sua caminhada dolorosa, afronta a soldadesca, tudo para limpar o rosto dAquele que um dia a envolvera em Seu olhar amoroso, desejando-lhe paz.

Ele lhe retribui o gesto, deixando impresso Seu semblante na toalha alvinitente.

A recompensa da gratidão.

Redação do Momento Espírita, com base no cap.
A mulher

hemorroíssa, do livro As primícias do reino, pelo

Espírito Amélia Rodrigues, psicografia de

Divaldo Pereira Franco, ed.
Sabedoria.

Em 24.
6.
2019.

132 total views, 1 views today