O AMOR – Horizontes da Mente – Miramez 5/5 (3)

[Total: 0    Média: 0/5]
Download PDF

O amor é a suprema felicidade do místico, é a alma acesa em todas as dimensões da vida, é a força concêntrica do cosmo, é a luz de Deus que se expande em todas as latitudes da criação.

A escola do amor é infinita, como infinito é o poder do Pai Celestial.

O amor canta, na força eletrostática do átomo, e torna-se uma melodia universal, na mecânica do cosmo.

Ele é um conjunto de fios invisíveis que partem do Criador ligando toda a criação.

O amor é a vida.

O amor é Deus, o amor é a caridade, o amor é a paciência, a tolerância, o perdão, a amizade, o trabalho, a fraternidade.

Descendo infinitamente para o mundo, o amor se manifesta-nos próprios instintos, impulso irresistível e misterioso que direciona os animais.

E por lei da evolução, ele parte da simples afinidade entre pessoas e coisas e esplende como flor da mais rara beleza.

Nada resiste ao amor.

Se porventura estais cansados e oprimidos, pensai no amor, começai com alegria a pensar nele, a vivê-lo na sua mais pura radiação, que notareis logo uma diferença no vosso estado psicológico: a mente mais ativa, o coração mais ritmado e os olhos mais vivos.
.
E, se esse exercício for cultivado de vez em quando, a alma se habitua, com as bênçãos de Deus, a sentir amor por tudo que existe, pois nada foi feito sem ele.

As vibrações são constituídas de sons, e as emissões dos pensamentos são reconhecidas, quando provêm de almas que dignificam a vida pelas portas do amor.

A melodia é harmoniosa e divina.

A mente, acostumada na ginástica do amor, é capaz de curar seus próprios desequilíbrios, ou pelo menos, aliviar os outros.

O Cristo quando andou pela Terra foi a personificação do amor.

Por isso, as suas vestes eram disputadas, para que os enfermos pelo menos tocassem nelas, e quando assim acontecia – afirma o Evangelho – eles saíam curados.

O amor lhes conferia uma profusão de fluidos superiores, que a inteligência de Jesus sabia repartir com os famintos e os desesperados.

Em muitos casos, eram os anjos que O acompanhavam, que faziam essa distribuição de bênçãos, em nome de Deus e, em outros, a própria fé do paciente absorvia o fluido de luz que circundava o Divino Mestre.

Jesus valorizou a fé, por saber que ela remove montanhas de imperfeições para atingir a essência da vida.

Se não temos, na atualidade, o Cristo frente a frente para nos curar, se não temos os anjos, Seus agentes, mais de perto para nos aliviar, temos todavia o poder da fé que, de certo modo.

Ele nos deixou, para que pudéssemos usar, e temos testemunho de sua eficácia.

A fé nos faz reportar à época do Cristianismo primitivo, encontrando-nos com o Senhor e os anjos, e tornando-nos livres de todas as enfermidades.

O amor é também fé, por unificar todas as virtudes do Evangelho.

Fazei experiências, meus filhos, experimentai o poder do amor e vereis.

Concentrai-vos no amor, sem que o devaneio da mente divida.

a meditação.

Senti no coração, e deixai que o rosto denuncie esse estado.

superior.

Descei a cortina dos olhos e uns dez minutos bastarão para que, pondo as vossas mãos em alguém que padece, restabeleçase- lhe o ânimo.

A farmacopeia universal está dentro do vosso coração em tamanho compatível com a vossa estrutura, mas, elástica, até o infinito.

Uma mente educada opera maravilhas, e uma mente que ama é o próprio céu na alma, onde Deus habita visivelmente com os anjos.

711 total views, 6 views today