As muitas moradas da Casa do Pai – Redação do Momento Espírita 5/5 (3)

Download PDF
[Total: 0   Average: 0/5]

O Evangelista João registrou, em seu evangelho, as palavras do Cristo, na noite de despedida, pouco antes de se dirigir ao Jardim das Oliveiras, onde seria preso.

São palavras de uma grande esperança, um acenar de bênçãos: Não se turbe o vosso coração.
Credes em Deus, crede também em mim.

Há muitas moradas na casa de meu Pai.
Se assim não fora, já eu vô-lo teria dito.

Numa época em que sequer se cogitava da existência de outros planetas, em que as estrelas eram simplesmente pontos luminosos para alumiar a noite, o maior Cientista, que a Terra já conheceu, falou de outras habitações, na Casa do Pai, que é o Universo.

Desde então, passamos a contemplar os céus, até onde nossos olhos possam alcançar, pensando onde estaremos nos próximos milênios.

Em que planeta, em que sistema solar, haveremos de nos encontrar, depois de vários séculos?

Ficamos a cogitar como serão esses outros mundos, naturalmente superiores àquele em que vivemos.
Mundos que poderemos habitar, após ter adquirido todo o progresso que essa bendita Terra nos permite.

As informações espirituais nos falam de mundos em que as condições da vida moral e material são muito diversas das que conhecemos em nosso planeta

Como por toda parte, a forma corpórea é sempre a humana, mas embelezada, aperfeiçoada.

O corpo já não tão material quanto o que possuímos, na Terra, ainda de provas e expiações, não estará mais sujeito às necessidades, nem às doenças tão próprias da matéria de que nos revestimos.

A locomoção, por conseguinte, será mais rápida e fácil.
Em vez de nos arrastarmos penosamente pelo solo, deslizaremos, pela superfície, bastando o esforço da vontade.

Algo que vemos, vez ou outra, retratado em filmes ditos de ficção científica.
Não seria o anúncio do que alguém intuiu?

Afinal, somos apenas Espíritos emigrando de um planeta a outro, dentro das condições evolutivas de que sejamos portadores.

Nesses mundos venturosos, as relações, sempre amistosas entre os povos, jamais são perturbadas pela ambição, da parte de qualquer deles, de escravizar o seu vizinho, nem pela guerra que daí decorre.

Não há senhores, nem escravos, nem privilegiados pelo nascimento.
Somente a superioridade moral e intelectual estabelece diferença entre as condições de uns e outros.

A autoridade merece o respeito de todos, porque somente ao mérito é conferida e se exerce sempre com justiça.

São desconhecidos o ódio, os mesquinhos ciúmes, as cobiças da inveja.
Um laço de amor e fraternidade prende uns aos outros todos os homens, ajudando os mais fortes aos mais fracos.

Possuem bens, em maior ou menor quantidade, conforme os tenham adquirido, mais ou menos por meio da inteligência.

Ninguém, todavia, sofre, por lhe faltar o necessário.
Numa palavra, nada de mal existe nesses mundos.

Deus nos permita possamos, em tempo não muito distante, conhecer as venturas desses mundos superiores, nos quais continuaremos a realizar a nossa escalada evolutiva.

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita, com base no

cap.
III, itens 1, 9 e 10 de O Evangelho

segundo o Espiritismo, de Allan Kardec, ed.
FEB.

Em 10.
7.
2020.

 376 total views,  2 views today