As preces dos nossos irmãos – Redação do Momento Espírita 5/5 (2)

Download PDF
[Total: 0   Average: 0/5]

Nos dias de tristeza, quando a alma se veste de luto e tudo parece desencanto, buscamos o Senhor da Vida.

Nossa rogativa se transforma em lamúrias porque há muita dor em nossa intimidade.

E, ainda assim, guardamos reservas para com o irmão que ora ao nosso lado.

Mesmo em meio ao cenário triste da pandemia que arrebata vidas, ao lado de outras tantas enfermidades que, há anos, vem retirando do mundo os seres humanos, alguns de nós olhamos de forma diferenciada os irmãos de outras crenças.

Esquecemos que Jesus nos afirmou que o Pai vê o que se passa em secreto, ou seja, no profundo da criatura, e recebe toda súplica, providenciando o socorro.

Os ensinos do Mestre de Nazaré prosseguem a nos esclarecer como O fez para a samaritana, no poço de Jacó.

Naquela época, a discussão era em torno do local em que deveriam ser proferidas as preces a Yaweh.

Seriam melhores as que fossem ditas no suntuoso templo de Jerusalém? Seriam essas as ouvidas pelo Pai Celeste?

Ou, aquelas pronunciadas no Monte Garizim, mesmo após a destruição do templo ali erguido, seriam ouvidas igualmente?

Qual delas revelaria, enfim, a verdadeira adoração?

Jesus, o Mestre Incondicional, com Seu pensamento universal e atraindo todas as Suas ovelhas para o mesmo redil, pronunciou-se, elucidando:

Está chegando a hora em que nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai.
Os verdadeiros adoradores, adorarão o Pai em espírito e verdade.

De fato, esses são os adoradores que o Pai procura.
Deus é Espírito e aqueles que O adoram devem adorá-lO em espírito e verdade.

O ensino era para aqueles dias.
Também para os do futuro.
Para todos os homens.
Deus é um só.
Criador.
Pai Celeste.

Infinitamente amoroso, acolhe as súplicas que lhe dirigem os Seus filhos, residam nas grandes metrópoles ou nas terras áridas.

Realizem as suas rogativas em suntuosos templos ou em plena natureza.
Ou em um casebre, à beira da estrada.

O verdadeiro altar é o do coração.
Por isso, o ensino crístico recomenda, quando orarmos, nos retirarmos para nosso quarto, fecharmos a porta e nos dirigirmos ao Pai em secreto.

Isso quer dizer, mergulharmos em nossa intimidade, cerrar os olhos e ouvidos a tudo que nos possa distrair do propósito de dialogarmos com Aquele que alimenta as aves, levanta as ondas do mar e veste a erva do campo.

Seja a prece esse encontro mais íntimo com Deus.

Como fazia o Mestre, que buscava o silêncio para se ligar mais intimamente ao Pai.

Servia a todos, horas e horas.
Depois, refazia-se, unindo-se em prece Àquele cujo pensamento Ele interpretava na Terra.

Para isso, o silêncio.
De fora.
A tranquilidade de dentro.

Ante o sacrifício que logo mais lhe seria exigido, entregue às mãos dos homens que O temiam, ou não O desejavam entender, Ele ora.

E, outra lição de valor, pede aos amigos que estão com Ele, que O acompanhem na prece.

Isso nos diz da importância de, ante as provações que nos alcançam, pedirmos aos nossos amigos que se irmanem conosco na oração em nosso favor.

Oração.
Hoje, amanhã, sempre.
Verdadeira escada de Jacó que une a criatura aos céus.

Redação do Momento Espírita, com transcrição do

Evangelho de João, cap.
4, versículos 21, 23 e 24.

Em 23.
10.
2020.

 393 total views,  2 views today