AMOR E EROS – Livro – Amor Imbativel Amor 5/5 (1)

Download PDF
[Total: 0   Average: 0/5]

O amor se expressa como sentimento que se expande, irradiando harmonia e paz, terminando por gerar plenitude e renovação íntima. Igualmente se manifesta através das necessidades de intercâmbio afetivo, no qual os indivíduos se completam, per­mutando hormônios que relaxam o corpo e dinami­zam as fontes de inspiração da alma, impulsionando para o progresso.
Sem ele, se entibiam as esperanças e deperece o ob­jetivo existencial do ser humano na Terra.
As grandes construções do pensamento sempre se alicerçam nas suas variadas manifestações, concitan­do ao engrandecimento espiritual, arrebatando pelos ideais de dignificação humana e fomentando tanto o desenvolvimento intelectual como o moral.
Valioso veículo para que se perpetue a espécie, quando no intercurso sexual, de que se faz o mais im­portante componente, é a força dinâmica e indispensá­vel para que a vida se alongue, etapa-a-etapa, ditosa e plena.
Nos outros reinos — animal e vegetal — manifesta-se como instinto no primeiro e fator de sincronia no segundo, de alguma forma embriões da futura conquis­ta da evolução.
Adorna a busca com a melodia da ternura e encan­ta mediante a capacidade que possui de envolvimento, sem agressão ou qualquer outro tipo de tormento.
Sob a sua inspiração as funções sexuais se enobre­cem e a sexualidade se manifesta rica de valores sutis: um olhar de carinho, um toque de afetividade, um abra­ço de calor, um beijo de intimidade, uma carícia envol­vente, uma palavra enriquecedora, um sorriso de des­contração, tornando-se veículo de manifestação da sua pujança, preparando o campo para manifestações mais profundas e responsáveis.
Como é verdade que o instinto reprodutor realiza o seu mister automaticamente, quando, no entanto, o amor intervém, a sensação se ergue ao grau de emoção duradoura com todos os componentes fisiológicos, sem a selvageria da posse, do abandono e da exaustão.
A harmonia e a satisfação de ambos os parceiros constituem o equilíbrio do sentimento que se espraia e produz plenitude.
A libido, sob os seus impulsos, como força criado­ra, não produz tormento, não exige satisfação imedia­ta, irradiando-se, também, como vibração envolvente, imaterial, profundamente psíquica e emocional.
Quando o sexo se impõe sem o amor, a sua passa­gem é rápida, frustrante, insaciável…
Por outro lado, os mitólogos definem Eros, na con­ceituação antiga do Olimpo grego, como sendo a di­vindade que representa o Amor, particularmente o de natureza física.
Eros teria nascido do caos primitivo, portanto, es­pontaneamente, como manifestação da vida afetiva. A partir do século 6º antes de Cristo passou a ser representativo da Paixão, e teria tido uma origem diferente, uma gênese mais poética, comparecendo como filho de Hermes e Afrodite, ou como descendente de Cronos e Gê, ou de Zéfiro e Íris, ou ainda, de Afrodite e Marte… Foi objeto de culto particular e especial em Téspias, Esparta, Sa­mos, Atenas, merecendo esse culto ser associado ao que se dispensava a Afrodite, Cantes, Dionísio e Hércules. Por extensão, passou a representar o desejo sexual, a função meramente decorrente do gozo sensualista, dos prazeres e satisfações sexuais.
Posteniormente, os romanos identificaram-no como Cupido, filho de Vênus, inicialmente representado como um adolescente, enquanto na Grécia possuía a aparência de uma criança algo maliciosa, que se fazia conhecer com ou sem asas, arco e flecha nas mãos. Foi tido como o mais poderoso dos deuses durante muito tempo.
O importante, porém, é que, em nosso conceito pessoal, o amor transcende os desejos sexuais, enquanto Eros, que pode ser portador de sentimento afetivo, ca­racteriza-se pelos condimentos da libido, sempre dire­cionada para os prazeres e satisfações imediatas da uti­lização do sexo.
O amor é permanente, enquanto Eros é transitó­rio. O primeiro felicita, proporcionando alegrias duradouras, o segundo agrada e desaparece voraz, como chama crepitante que arde e gasta o combustível, logo se convertendo em cinzas que se esfriam…
Eros toma conta dos sentidos e responde pelas paixões desenfreadas, pelos conflitos da insatisfação, que levam ao crime, ao desar, ao desespero. Tendo, por objetivo imediato e inadiável, o atendimento dos desejos mentais do desequilíbrio sexual, é responsá­vel pela alucinação que predomina nos grupos soci­ais em desalinho.
Assomando em catadupas de posse encegueci­da, não confia, envenena-se pelo ciúme, transtorna-se pela insegurança, fere e magoa, derrapando em patologias sexuais devastadoras e perversões alu­cinantes.
O amor dulcifica e acalma, espera e confia. É enriquecedor, e, embora se expresse em desejos ar­dentes que se extasiam na união sexual, não conso­me aqueles que se lhe entregam ao abrasamento, porque se enternece e vitaliza, contribuindo para a perfeita união.
O amor utiliza-se de Eros, sem que se lhe submeta, enquanto esse raramente se unge do sentimento de pu­reza e serenidade que caracterizam o primeiro.
Os atuais são dias de libido desenfreada, de pai­xão avassaladora, de predominância dos desejos que desgovernam as mentes e aturdem os sentimentos sob o comando de Eros.
Não obstante, o amor está sendo convidado a subs­tituir a ilusão que o sexo automatista produz, acalman­do as ansiedades enquanto alça os seres humanos ao planalto das aspirações mais libertadoras.

 271 total views,  2 views today