Para não ser infeliz – Redação do Momento Espírita 4.5/5 (2)

Our Score
Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]
Download PDF

É comum reclamarmos do sofrimento ou das dores que nos atingem.

Porém, por vezes, tais condições são provocadas por nós mesmos.

Reagimos muito mal a fatos insignificantes e levamos as coisas para o lado pessoal.

Isso nos provoca irritação no dia a dia, que pode se acumular, chegando a representar uma importante fonte de sofrimento.

Conta-se que dois amigos foram a um restaurante para jantar.
Eles não tinham nada importante para fazer em seguida.

Podiam comer com calma, conversar, demorar-se o quanto desejassem.
Nenhum compromisso os aguardava.
A noite poderia ser encerrada a hora que desejassem.

Com esse espírito é que fizeram seu pedido e esperaram que os pratos solicitados chegassem.

O serviço do restaurante acabou por se revelar extremamente lento.
Um deles começou a reclamar.

Reclamou da demora em chegarem à mesa os seus pedidos.
Depois reclamou da comida, da louça, dos talheres e de todos os detalhes que descobriu não lhe agradarem.

Ao final da refeição, o garçom chegou e ofereceu duas sobremesas, a título de cortesia.

É como um pedido de desculpas pela demora do serviço.
– Explicou, gentil.

Estamos com falta de pessoal, hoje.
Houve um falecimento na família de um dos cozinheiros, e ele não veio trabalhar.

Além disso, um dos auxiliares avisou que estava doente, na última hora.
Espero que a demora não lhes tenha causado nenhum aborrecimento.

Enquanto o garçom se afastava, o amigo ainda resmungando, deixou escapar o seu descontentamento:

Nunca mais vou voltar neste restaurante.

Este é um pequeno exemplo de como contribuímos para nosso próprio sofrimento.

Levando a questão para o lado pessoal, como se tudo fosse feito de propósito contra nós; imaginando que as pessoas e o mundo giram em torno de nós, nos tornamos infelizes.

Importante termos sensibilidade para perceber o entorno, dificuldades que se apresentam, à revelia mesmo de quem deva nos atender, nos servir.

Essa refeição, com certeza, foi desagradável para ambos.

E com grandes possibilidades de, por causa da irritação, a comida ingerida lhes fazer mal e terem problemas de saúde.

Além, é claro, do aborrecimento, do desconforto, ante tanta reclamação.
E tudo podia ter sido resolvido com um pouco de paciência e tolerância.

Como nenhum compromisso os aguardasse, poderiam ter usufruído daquele tempo para conversar um pouco mais.

Afinal, com a vida tão corrida, com tantos compromissos sempre nos aguardando, uma oportunidade dessas, deveria ter sido muito bem aproveitada.

* * *

Jacques Lusseyran, cego desde os oito anos de idade, foi fundador de um grupo de resistência na Segunda Guerra Mundial.

Foi capturado pelos alemães e encarcerado em um campo de concentração.

Mais tarde, quando relatou as suas experiências no campo de prisioneiros, afirmou:

Percebi que a infelicidade chega a cada um de nós porque acreditamos ser o centro do Universo.

Porque temos a triste convicção de que só nós sofremos de forma insuportável.

A infelicidade é sempre se sentir cativo na própria pele, no próprio cérebro.

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita, com base no

livro A arte da felicidade, de Dalai Lama e

Howard Cutler, ed.
Martins Fontes.

Em 27.
1.
2023.

Loading